Notícias

A demanda de mão de obra e a construção civil

<< voltar

28/08/2013

 

Imagem retirada de http://blogs.diariodepernambuco.com.br/espacodaprevidencia/?p=1743

Em julho, a construção civil contratou no Brasil todo 4.899 empregados com carteira assinada e demitiu 344, só na região metropolitana de São Paulo (RMSP), principal mercado do País. Isso é indício do baixo nível de atividade do setor. No primeiro semestre, segundo o sindicato da habitação (Secovi), as vendas de imóveis novos cresceram, mas isso pouco influenciou as contratações de mão de obra.

Os sinais de melhora do setor, entre junho e julho, ainda são tênues, segundo a Sondagem Indústria da Construção, da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A rigor, o indicador do nível de atividade passou, entre um mês e outro, de 44,3 pontos para 46,5 pontos, mas ambos são inferiores a 50 pontos, ou seja, estão aquém do patamar positivo. Em relação ao nível usual, a recuperação da atividade foi de apenas 0,5 ponto porcentual, de 42,3 pontos para 42,8 pontos. No mês passado, o uso de capacidade foi de 70%, apenas um ponto porcentual acima de julho de 2012.

Já as expectativas de atividade das empresas são melhores e indicam um nível de atividades acima dos 50 pontos. No caso das grandes empresas, o nível de expectativas tende à estabilidade, tanto no tocante a novos empreendimentos e serviços, compras de insumos e matérias-primas como no número de empregados. É o que mostra o levantamento da CNI, que pesquisa 549 companhias, das quais 135 grandes, 252 médias e 162 de pequeno porte.

Como revelam os números do Ministério do Trabalho sobre o emprego na construção civil, após o corte de 1,9 mil vagas com carteira assinada, em maio, houve a contratação de 2,1 mil pessoas, em junho, e de quase 4,9 mil, no mês passado. No trimestre maio/julho, o saldo líquido foi de 5,1 mil vagas, enquanto no mesmo período do ano passado haviam sido abertos 44,5 mil postos, quase nove vezes mais. Na comparação com outros segmentos, a construção civil se saiu melhor, respondendo por quase 12% do total de novas vagas. Na RMSP, neste ano, o setor de construção foi o que apresentou melhores resultados, em termos porcentuais (+4,98%).

O segundo semestre é, historicamente, mais forte para o ritmo da atividade - e na construção civil não é diferente. Mas, se há sinais de que a construção de edifícios esboça recuperação, o mesmo não ocorre com as obras de infraestrutura. Como um todo, o setor da construção depende de um setor público bem mais eficiente para contratar obras do que se mostrou até agora.


Fonte: O Estado de S.Paulo

Aluguéis de banheiros químicos e Containers
Certificados:
A Rentalbras possui todas as certificações e licenças necessárias para atuar no ramo de aluguel de banheiros químicos.
Rua Antero Patrício Silvestre, nº 58
PQ Industrial Lisboa
Campinas / SP
CEP: 13052-770
Tel (19) 3265-7752
(19) 3265-2557
Todos os direitos reservados - © 2019
Agência de Internet